Adolescentes do Proteger é Preciso realizam intervenção política cultural em Nova Lima

24 / novembro / 2016 — 14:10 — Institucional

Na última sexta-feira, dia 18 de novembro, adolescentes do Coletivo Mega Foco do projeto Proteger é Preciso (PEP) Nova Lima, realizaram a Intervenção política cultural “Mãos na Obra: instalação de midiarte”. A proposta busca ressignificar o espaço de uma obra abandona – parada há 5 anos e que deveria ser a Policlínica do bairro Jardim Canadá e que hoje é ponto de uso de drogas – com muita arte e comunicação.

A ação foi puxada por um cortejo de tambores conduzidos pelos próprios jovens do Mega Foco, acompanhados da performance “A Dona da Rua”, da atriz Michelle Sá. Além de intervenções com lambe lambes e com o grafite do artista Bombi, a programação do evento também contou com atrações como o grupo de Rap Delartovi e do dançarino de Funk Ramon dos Passinhos; da cantora de Black Soul Talita Barreto; dos poetas marginais João Paiva, Eduardo DW e Nívea Sabino, entre outros artistas.

Os jovens multiplicadores que participam em outros territórios onde o projeto acontece também estiveram presentes no evento e puderam vivenciar a realidade dos adolescentes do Jardim Canadá. Foi um momento de muita troca de experiências e conhecimento.

No dia seguinte, todos os jovens multiplicadores do Proteger é Preciso se reuniram no Centro de Atividades Culturais do Jardim Canadá para o 4º Encontro do Grupo Multiplicador. O encontro foi uma oportunidade para discutir o andamento do Projeto Coletivo em cada território e planejar melhor o fim de cada ação.

“Mãos na Obra: instalação de midiarte” é um projeto proposto pelo coletivo Mega Foco, do núcleo de Nova Lima do Proteger é Preciso. Os núcleos são formados por um grupo de jovens de cada território e trabalham com questões relacionadas aos direitos humanos por meio de estratégias de comunicação. Desde maio deste ano, o PEP está apoiando os núcleos no desenvolvimento de um projeto coletivo de interesse dos jovens, que na maioria das vezes é motivado por questões sociais do território.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *