Atividades de cineclube nas escolas têm agenda intensa em março

26 / março / 2012 — 20:14 — Giro de NotíciasSem categoria

Cineclubismo aliado à educação leva exibições de filmes e debates para dentro do  ambiente escolar

Apesar de ainda enfrentar alguns desafios, experiências audiovisuais têm resultados positivos no desenvolvimento escolar de crianças e adolescentes

Oficina de Imagens realiza exibições de filmes no próximo dia 20 na Escola Municipal São Rafael, em Belo Horizonte

“Hoje tem cineclube?”. Na primeira quinta-feira de março, essa era a pergunta que se podia ouvir com frequência na voz de crianças e adolescentes da Escola Municipal Professora Alcida Torres, no bairro Taquaril, região Leste de Belo Horizonte. O Cineclube Sabotage está de volta, depois de um tempo de férias e fará mais três exibições no mês de março, nos dias 20, 22 e 29.

Proporcionar experiências audiovisuais para a comunidade escolar e estimular o debate. Essa é a proposta do Cineclube Sabotage, uma ação da Oficina de Imagens por meio do Programa Mais Cultura, do Governo Federal, em parceria com a Escola Municipal Professora Alcida Torres pelo Programa Escola Integrada, da Prefeitura de Belo Horizonte. A articulação do Cineclube com a direção da Escola aconteceu em 2010 e, desde então, ir às sessões do Sabotage passou a fazer parte da rotina de crianças e adolescentes do 1º, do 2º e 3º ciclos, no período de aula, ou no contraturno, pelo Escola Integrada.

A exibição dos filmes acontece em um auditório da escola que os próprios adolescentes ajudam a organizar. Sentados em cadeiras escolares, acompanham as sessões, curiosos. Após a exibição de curtas e documentários, participam de discussões sobre o que assistiram, como o papel da mulher na sociedade e o combate à violência sexual. Até maio deste ano, outras três escolas municipais de Belo Horizonte vão receber exibições de filme pelo Cineclube Sabotage.

O educador da Oficina de Imagens e estudante de Cinema, Marcos Donizetti, é quem coordena as exibições de filmes que acontecem todas as quintas-feiras na Escola Professora Alcida Torres. Ele explica que as produções escolhidas são em sua maioria aquelas que estão fora do circuito comercial – obras que estimulam reflexões, mas dificilmente são acessadas.

Por que levar o cinema pra escola?

Quando um cineclube chega a uma escola é preciso contar com a receptividade da direção, de crianças e adolescentes, pais e educadores. Engajar a comunidade escolar é fundamental para que a exibição dos filmes e o debate ganhem vida. Para o representante do Cine Ponto – ação de exibição aberta e gratuita de cinema – em Divinópolis e um dos articuladores do movimento cineclubista em Minas, Max Myller, trazer o cineclube para a escola é uma forma de estimular a reflexão da comunidade escolar sobre sua própria realidade e fomentar posturas transformadoras.

Na Escola Professora Alcida Torres, crianças de 6 e 7 anos assistem aos filmes e recriam as imagens por meio de desenhos. O cinema estimula a imaginação e a expressividade das crianças, o que vai muito além de aplicar os filmes em conteúdos disciplinares em sala de aula ou de usá-los como “tapa-buracos” entre as atividades. Para a professora da Faculdade de Educação (FaE) da UFMG e uma das criadoras da Rede Latinoamericana de Educação, Cinema e Audiovisual, Inês Teixeira, os cineclubes são locais de encontro, sociabilidade e interação humana. “A possibilidade de viver com o outro experiências estéticas, intelectuais e éticas é muito preciosa para a escola”, destaca.

A professora da FaE também explica que, para ir além das discussões de conteúdos escolares e didáticos com os alunos, é preciso que os educadores também tenham uma visão mais ampla sobre o cinema e possam acessar boas produções. Isso depende de projetos que invistam com mais clareza na formação dos professores. A rotina acelerada da escola, o tempo curto e a necessidade de cumprir uma carga de conteúdos grande são outros fatores que podem fazer com que o cineclube não tenha tanto destaque na dinâmica escolar. Para Inês Teixeira, as condições de trabalho e baixos salários dos educadores também contribuem para que o cinema nas escolas ainda esteja apagado.

Necessidade de investimento

Equipamentos e pessoas preparadas para desenvolverem a atividade com os alunos. Esses também são requisitos para que um cineclube se constitua dentro de uma escola. Para Max Myller, potencializar as atividades dos cineclubes nas escolas demanda um reconhecimento por parte do poder público sobre a importância de se trabalhar o audiovisual ligado à educação. Para ele, esse cenário vem mudando nos últimos dez anos e um dos exemplos dessa mudança foi a criação do programa Cine Mais Cultura, pelo Ministério da Cultura, em 2008.

Em Minas, o movimento cineclubista, vinculado ao Conselho Nacional de Cineclubes, busca articulações com a Secretaria de Estado de Cultura para estimular as atividades dentro das escolas. Os primeiros passos desse processo já estão sendo dados. O objetivo é mapear todos os cineclubes que existem no estado – incluindo os que atuam dentro de escolas – e criar circuitos de produção e distribuição de filmes para facilitar o acesso às produções. Em Belo Horizonte, de acordo com a coordenadora do Educomunicação e Arte, do Programa Escola Integrada da Prefeitura, Vanessa Monteiro, ainda não há o mapa das escolas municipais que têm atividades cineclubistas no período do Escola Integrada. Ela destaca, entretanto, que a Prefeitura estimula esse tipo de prática nas escolas.

PROGRAMAÇÃO

Confira a programação do Cineclube Sabotage para o mês de março e abril.

Em março:
20/3 – Cineclube vai à Escola Municipal São Rafael, no bairro Pompeia, região Leste de Belo Horizonte
22/3 – Cineclube na Escola Municipal Alcida Torres, no bairro Taquaril, região Leste de Belo Horizonte
29/3 – Cineclube na Escola Municipal Alcida Torres, no bairro Taquaril, região Leste de Belo Horizonte

Em abril:
10/4 – Cineclube vai ao Centro Cultural Pampulha
17/4 – Cineclube vai ao Centro Cultural São Bernardo
23/4 – Cineclube vai à Escola Municipal Padre Francisco, no bairro São Geraldo, região Leste de Belo Horizonte
24/4 – Cineclube vai ao Centro Cultural Venda Nova

NOTAS

Brasileiros podem se inscrever para Congresso Mundial de Juventude até dia 31
As inscrições de delegados brasileiros para o 6º Congresso Mundial de Juventude vão até o dia 31 de março. O evento será realizado no Rio de Janeiro entre os dias 4 a 13 de junho. O Congresso Mundial da Juventude (World Youth Congress – WYC) é bienal e foi organizado pela primeira vez em 1997. O Congresso é um espaço de discussão para os jovens que pretendem promover a expansão do papel da juventude no desenvolvimento sustentável. O tema central é o papel que podem desempenhar no que diz respeito à sustentabilidade e como conseguir que os Governos e as incluam os jovens no planejamento das ações. Os brasileiros que desejam se inscrever como delegados podem encontrar a ficha de inscrição no site wycrio2012.org.


1 comentário. Faça parte da conversa.

  1. Auricelia cardoso Responder

    20 / maio / 2013 — 19:39

    É muito importante essas atividades do cineclube para as escolas, pois elas garantem ao aluno a criação de opiniões, a criar em sua imaginaçao um sentido de valor na sociedade desde cedo, pois quando estivere maiores terão uma opiniao formada sobre o assunto atual que foi trabalhado no cineclube.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *