Iniciativa do UNICEF mobiliza adolescentes do Semiárido mineiro

16 / dezembro / 2016 — 11:18 — Institucional

“O NUCA foi algo revolucionário em Divisa Alegre”, afirma Anderson Oliveira, de 18 anos, que mora no município do norte de Minas. O jovem se refere ao Núcleo de Cidadania dos Adolescentes, ação obrigatória desta edição do Selo UNICEF Município Aprovado, que busca apoiar meninas e meninos no desenvolvimento de competências e contribuir para fortalecer a capacidade deles incidirem nas políticas públicas.

Segundo Anderson, antes da iniciativa do UNICEF, não havia espaço no município para os adolescentes se expressarem e, muito menos, participarem ativamente de decisões políticas. “Nós acordamos Divisa Alegre. Agora, todos enxergam o que precisamos”, afirma. “Tivemos um encontro com o prefeito e entregamos uma lista de ações que precisam ser implantadas na nossa cidade. Uma delas é a possibilidade de nós, do NUCA, darmos oficinas nos espaços onde são realizadas as atividades do Pró-jovem”, conta o adolescente.

“Tivemos uma reunião e os meninos tomaram conta da Câmara [de Vereadores]!”, conta a articuladora municipal, Edileia Rocha. “Agora, sempre que acontece um evento no município, vem um convite para o NUCA. Eles participaram, por exemplo, da construção do Plano Decenal de Educação do município”, pontua.

Para Anderson, participar do NUCA é um despertar. “Antes, eu não tinha interesse em saber o que estava acontecendo ao meu redor, em conhecer meus direitos. Agora, percorremos a cidade, ficamos a par de tudo. O NUCA me dá estrutura para o que eu quero fazer no futuro, que é trabalhar com educação”, afirma.

No município de Chapada Gaúcha, os adolescentes entregaram uma carta de reivindicações ao prefeito. “Exigimos mais espaços de participação e de lazer para os jovens, mais segurança na saída das escolas, mais iluminação no município… Procuramos reivindicar coisas que beneficiem não só os jovens, mas toda a população”, explica o adolescente e moderador do NUCA, Luan Barbosa, de 14 anos. Ele conta que, desde então, as coisas têm melhorado muito. “Algumas das reivindicações já foram atendidas, como a melhoria da iluminação e a liberação de espaços para os adolescentes ocuparem. Agora podemos usar as quadras o dia inteiro”, afirma.

Durante o 2º Fórum Comunitário, evento para que os municípios apresentem à comunidade as ações realizadas, o NUCA de Chapada Gaúcha entregou outra carta ao prefeito, desta vez, reivindicando apoio para a continuidade das atividades do núcleo após o encerramento desta edição do Selo UNICEF. “Não faz sentido começarmos e não continuar. Os adolescentes precisam de oportunidades e o NUCA nos dá isso. Agora, vamos marcar uma reunião com o prefeito que vai assumir ano que vem e entregar a mesma carta, porque o apoio dele é muito importante”,  pontua Luan.

Empoderamento na escola

Em Pai Pedro, o empoderamento motivado pelas reuniões do NUCA fez com que os adolescentes reivindicassem espaços de decisão no ambiente escolar. “Nossa escola sempre teve um colegiado, composto por colaboradores, pais e alunos. Mas a participação dos estudantes nunca tinha sido ativa. De repente, eles tiveram uma mudança de atitude, passaram a dizer ‘nós é que vamos falar qual é a prioridade, porque somos nós que sabemos as nossas necessidades’. Pensei: ‘o que está acontecendo com esses jovens?’”, explica o diretor da Escola Estadual Santos Dumont, Denilton Borges.

Ao questionar os alunos, Denilton conheceu a iniciativa do NUCA. Ele conta que, inicialmente, foi difícil para os membros do colegiado aceitarem essa mudança, mas agora o diálogo é mais efetivo. “Hoje, conseguimos um debate de igual para igual. É preciso admitir que, às vezes, ao tomar uma decisão pensamos no que funciona melhor, mas não pensamos no que é realmente melhor para os jovens”, afirma o diretor.

Para Alan Oliveira, de 15 anos, que participa do colegiado juntamente com três colegas, a experiência no NUCA foi fundamental para que os adolescentes se tornassem mais ativos: “os outros alunos que participavam do colegiado eram muito retraídos. Essa nova gestão não tem vergonha de sentar na mesa e discutir com  os outros participantes sobre o que a gente realmente precisa. Dos quatro, três são do NUCA”.

O adolescente explica que todo o processo tem participação dos estudantes. “Nós nos candidatamos e são os alunos que escolhem quem vai representá-los. Depois, o pessoal da escola vai falando com a gente o que acha que precisa, nós quatro nos reunimos, avaliamos, e levamos para o colegiado propostas que fazem sentido e que cabem no orçamento escolar”, conta. “Todos os alunos ficaram mais participativos, porque se sentem mais à vontade para discutir com um colega do que ir diretamente ao diretor”, afirma Alan.

A ideia funcionou tão bem na escola Santos Dumont que o diretor resolveu levar os adolescentes do NUCA com ele a uma reunião de diretores da superintendência regional de ensino. “Estavam presentes 130 diretores, de muitas cidades, e os adolescentes apresentaram a proposta do NUCA. A maioria se mostrou aberto a levar a ideia para o próprio município”, afirma Denilton.  “A proposta também foi apresentada para todas as escolas de Pai Pedro. Eu recomendo, porque hoje trabalho com muito mais tranquilidade graças ao auxílio deles”, finalizou.

Sobre o NUCA – O Núcleo de Cidadania dos Adolescentes (NUCA) é uma ação obrigatória da edição 2013-2016 do Selo UNICEF Município Aprovado. O Núcleo deve apoiar os adolescentes no desenvolvimento de competências, contribuir para fortalecer sua capacidade de incidir nas políticas públicas; fomentar a reflexão e a discussão sobre a diversidade e as desigualdades do município, em termos de gênero, raça e etnia, deficiências, vida urbana e rural; e promover o engajamento de meninas e meninos no conjunto de Ações Estratégicas do Selo.

O Selo UNICEF – O Selo UNICEF Município Aprovado tem como objetivo ajudar a universalizar direitos e melhorar a vida de crianças e adolescentes que vivem no Semiárido, reduzindo as desigualdades sociais no país.

Esta é a 4ª edição em Minas Gerais. Ao participar do Selo, os municípios assumem o compromisso de desenvolver um conjunto de ações para promover os direitos de meninas e meninos a: sobreviver e se desenvolver; aprender; proteger-se e ser protegido do HIV/AIDS; crescer sem violência; ser adolescente; ser prioridade absoluta nas políticas públicas.

Atualmente, o Selo UNICEF Município Aprovado acontece em dez estados do Semiárido brasileiro. A Edição 2013-2016 conta com parceria técnica da Fundação Telefônica, parceria estratégica de Coelba, Celpe, Cosern, Coelce e Aneel e apoio da Petrobras e do Governo Federal. Em Minas Gerais, a iniciativa é desenvolvida em parceria com a Oficina de Imagens.

Foto: Daniel Iglesias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *